Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Noite de cinema

De verde-azul se coloria meu peito. O resto era cinza. Eu estava bem. Eu acho. A turbulência daquelas ondas calmas me faziam suspirar. O ar estava seco. O tempo quente. O peito frio. Meus olhos ameaçavam chover. Merda, esqueci meu guarda-chuva.      Parei na frente do Belas Artes. As pessoas iam passando por mim, apressadas. Eu não tinha pressa. Podia ficar horas ali olhando, deixar com que as horas atropelassem tudo o que eu deveria fazer naquela noite.      Lembranças. Que me consomem. Que me puxam feito a ressaca. A cerveja gostosa que eu nunca mais tomei. Os atrasos. Aquele cheirinho de pipoca no ar. Os filmes bons, e os ruins também. O cochilo. O menino misterioso que a gente não foi falar com. As conversas sobre a vida. O universo. O palo santo que eu ainda não acendi. O sorvete naquele dia congelante (realmente fica mais gostoso). O cobaísmo, as palhaçadas e os olhares alheios julgando a nossa loucura (que ela seja perdoada).
    O filme da minha vida, bem ali. O abraço. Seus …

Últimas postagens

Verde-azul

Encontrar-se

Um poema a ninguém

Indistinto

Um quase prelúdio preso ao vento

Ímpeto

Silêncio

O cisco

Despertar